Sinusite

A sinusite é um mal que afeta milhares de pessoas todos os anos, se tratando de uma inflamação no sistema respiratório superior, nos seios paranasais, que se localizam por toda a face. O processo de instalação da doença se dá por meio de uma infecção causada por um vírus, uma bactéria, ou por um fungo.

Há a variação da doença que faz com que o indivíduo alérgico, possivelmente a poeira e a substâncias tóxicas no ar como poluentes, possa também desenvolver a inflamação nos seios da face, o que faz com que o número de pessoas afetadas pela sinusite aumente significativamente.

As cavidades dos sinos da face se iniciam por dentro do nariz e se enraízam por meio dos ossos do rosto, o que faz com que a sinusite possa estar sempre associada à ocorrência de outras doenças que afetam o sistema respiratório, entre as mais comuns estão a rinite, os portadores de asma e a bronquite.

Introdução

A sinusite tem diversas maneiras de ocorrência, o que faz com que ela possa ser caracterizada em três categorias:

  • A categoria infecciosa bacteriana, na qual o agente causador é uma bactéria, e a infecciosa fúngica, que afeta em sua grande maioria as pessoas cujo sistema imunológico está prejudicado – o indivíduo sofre com a dor que se instala nos seios da região facial, o nariz entupido e a secreção, podendo também ocorrer febre.
  • A categoria alérgica, que ocorre por ação de fatores específicos em cada indivíduo, ocasionando também as dores na região dos sinos características da inflamação, bem como a tosse, e os espirros.
  • A sinusite também pode ser causada por fatores traumáticos, proporcionados por uma mudança profunda de pressão, que pode ser ocasionada ao longo de viagens de avião e ao realizar mergulhos, tendo como principais características a ocorrência de menos obstrução nasal e maior desconforto na região maxilar.

Sintomas

As crises de sinusite podem ter a ocorrência de sintomas em sua ocorrência, nos seus diversos tipos, como as dores muito fortes de cabeça, causando um desconforto na região da face, na têmpora, sob as cavidades dos olhos, dependendo de qual a causa da crise e qual a intensidade da mesma.

A obstrução nasal é um dos principais sintomas que o paciente pode notar ao ocorrer uma crise de sinusite, e pode vir acompanhada também da febre, dos incômodos associados à coriza, e de crises de espirros que podem ser associadas à coceira na região do nariz.

Ao observar os sintomas, é preciso que o paciente procure o atendimento realizado por um médico especializado para que o tratamento possa ser conduzido da melhor forma possível, evitando que a inflamação se intensifique, o que pode causar dor intensa e complicações no tratamento.

Causas

Há diversos fatores que podem ocasionar a ocorrência de uma crise de sinusite, sendo que doenças comuns como as gripes e os resfriados, extremamente corriqueiras para a maioria das pessoas, podem intensificar o quadro, fazendo com que a inflamação bloqueie o processo de drenagem dos mucos secretados pelas glândulas nasais, resultando em um ambiente propício para bactérias.

As alergias, as pessoas que possuem desvio no septo nasal e as condições do clima podem afetar também as vias nasais, sendo causas para a doença. A rinite, a asma, as doenças e alguns remédios que enfraquecem o sistema imunológico também são responsáveis pelo aparecimento da sinusite no organismo.

Tratamento

Após observar o aparecimento dos sintomas, o tratamento será conduzido por um profissional de maneira a conter os sintomas e endereçar a causa da doença, por isso, é extremamente importante o acompanhamento médico: nos casos onde a sinusite estiver associada à uma outra doença, o tratamento da mesma deve ser feito simultaneamente, evitando a intensificação dos sintomas e recorrência da mesma.

Os medicamentos utilizados são, em sua maioria, os antialérgicos, as lavagens nasais com soro fisiológico são grandes aliadas, bem como os corticoides, e as inalações; pode-se também ser necessário realizar tratamento cirúrgico dependendo da causa.

Quantas Estrelas Vale Este Artigo?

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (No Ratings Yet)
Loading...

Queda de cabelo

A queda de cabelo é um problema bastante comum que atinge pessoas de todo o mundo, principalmente mulheres. O que poucas pessoas sabem é que existe uma grande diferença entre queda de cabelo e calvice. A maioria das pessoas atingidas pela calvície são homens, esse problema também é chamado de alopecia androgenética.

A queda de cabelo pode ter inúmeras causas como problema na glândula da tireoide, deficiências de ferro ou até mesmo doenças autoimunes e infecciosas. Esse problema pode trazer alguns danos até mesmo para a saúde psicológica dos indivíduos.

Muitos homens que sofrem desse mal assumem o problema, porém para as mulheres a situação é mais complicada visto que nos padrões estéticos em que vivemos os cabelos femininos são vistos como símbolo de beleza.

Sintomas da queda de cabelo

Os sintomas da queda de cabelo, basicamente, se resume a perda excessiva dos fios. Caso você perceba muitos cabelos no travesseiro ou no chão do banheiro pode ser que você esteja realmente com esse problema .

Outro sintoma é o desconforto no couro cabeludo, aliado a coceiras que pode identificar a presença de fungos os quais podem ser os causadores da queda.

No caso dos indivíduos do sexo masculino, se a queda dos fios estiver localizada próximo a testa ou na parte superior da cabeça pode ser que o seu caso seja calvice,  trata-se de uma predisposição genética.

Caso você identifique algum dos sintomas descritos acima é importante que você agende uma consulta médica para quê o seu quadro seja analisado e  tratado da forma correta, de modo a devolver a saúde dos seus fios de cabelo.

Causas da queda de cabelo

Pesquisas apontam que é normal que cada indivíduo perca cerca de 50 a 100 fios de cabelo todos os dias. Esse número parece muito alto, porém não é, já que possuímos mais de cem mil fios no nosso couro cabeludo.

Com passar dos anos a saúde do nosso cabelo vai ficando mais prejudicada. O envelhecimento também possui interferência deixando os fios cada vez mais fracos, tratamentos químicos como alisamentos e tinturas também prejudicam os fios.

No entanto muitas pessoas começam a apresentar quadros de queda de cabelo muito antes de envelhecer. Essas situações podem ocorrer devido a mudanças o fluxo hormonal ou no metabolismo além de gravidez parto, menopausa,  ou uso inadequado de pílulas anticoncepcionais.

Além disso algumas doenças também podem ser o principal motivo da sua queda de cabelo, são elas: anemia, sífilis, câncer, hipotireoidismo, hipertireoidismo,  foliculite, obesidade, entre outras.

Medicamentos também podem ser a causa da queda de cabelo principalmente as medicações fortes como as usadas no tratamento de depressão, problemas cardíacos e quimioterapia. Além disso o stress emocional ou físico também está relacionado com esse tipo de problema.

Tratamentos para a queda de cabelo

Os tratamentos são bem amplos e podem variar desde  medicações até procedimentos  clínicos que visam recuperar a saúde dos seus filhos. Conheça alguns deles:

Carboxiterapia: A carboxiterapia é nada menos que uma injeção a qual será aplicada nas áreas onde houver queda de cabelo. O principal objetivo desse método é fazer com que as áreas produzam mais oxigênio consequentemente melhorando a circulação da raiz.

Laser de baixa potência: Os Lasers de baixa potência liberam uma energia a qual  possibilita os fios a permanecerem por um maior período de tempo na fase de crescimento.

Transplante de unidades foliculares:  O transplante é na verdade uma cirurgia realizada em hospitais onde o paciente fica sedado para que o médico retire uma faixa de couro cabeludo da nuca e depois a implante nas áreas onde existem falhas.

A queda de cabelo não é por si só, considerada um problema grave e pode ser tratada para que a saúde dos fios seja recuperada. Se você está passando por esse tipo de problema, procure ajuda médica e inicie o tratamento.

Depressão

Muitas pessoas no mundo atual, que exige uma série de compromissos e onde tudo acontece muito rápido, se sentem com um peso que, muitas das vezes é uma tristeza passageira, mas, em muitos casos, pode ser um sintoma da depressão.

A depressão é uma doença psicológica extremamente comum e tem afetado cada dia mais pessoas, fazendo com que haja uma necessidade muito grande de conscientização da população para que busquem tratamentos especializados ao notar o aparecimento dos sintomas que indicam a doença.

Introdução

Atualmente, a depressão, conhecida como o mal do século, tem sido a maior causa de incapacitação para profissionais brasileiros. A importância do reconhecimento da necessidade de saúde mental e tratamento da mesma é um dos fatores que mais impedem e prejudicam os pacientes, por não estarem atentos à ela.

A conscientização a respeito da necessidade de tratamento para doenças psicológicas tem sido cada vez maior, e, por esse mesmo motivo, é imprescindível que a ajuda médica e especializada seja aplicada quando os pacientes apresentam os sintomas, sendo possível reverter e tratar o quadro de maneira a evitar a evolução da doença.

Sintomas

Ao entrar em um estágio que indica depressão, o paciente pode notar sintomas como um cansaço e fadiga constantes, fraqueza, se torna muito irritável em relação a todas as coisas, sente uma tristeza e angústia que não passam, tem dificuldade de dormir ou dormem muito.

A autoestima do paciente também e afetada como um sintoma da depressão, podendo também ter crises de ansiedade, pensamentos e intenções suicidas, falta de habilidade de concentração, pensamentos pessimistas a todo o tempo, e não conseguirem realizar diversas atividades.

É importante conseguir entender os sintomas e avaliar de maneira crítica, portanto, ao apresentar uma combinação dos mesmos, é extremamente necessário realizar a busca por ajuda médica especializada, que fará com que o diagnóstico da doença seja feito da melhor forma possível.

Causas

Entre os fatores que apresentam um risco para que o paciente desenvolva a depressão em si, encontram-se históricos familiares de pessoas que tem depressão na família, ansiedade e estresse crônicos, outras disfunções psicológicas que estão relacionadas com a depressão, disfunção hormonal, o sobrepeso e a obesidade.

Os traumas físicos ou psicológicos, no caso de algum acontecimento traumático na infância ou em qualquer idade, podem ter estreita relação com a ocorrência da depressão, bem como vários outros fatores que podem causar a falta de interesse pela vida e uma mudança na configuração da produção hormonal do indivíduo.

A depressão é causada pelo desequilíbrio da atividade cerebral, fazendo com que algumas substâncias como a do prazer, a serotonina, possam passar por processos onde não são produzidas de acordo com as necessidades do organismo.

Tratamentos

O método mais indicado para os pacientes que estão sentindo sinais da depressão é buscar a ajuda por meio de sessões de terapia com um psicólogo, que irá identificar a necessidade ou a falta de necessidade de um acompanhamento com um psiquiatra, para a utilização de medicamentos.

Muitos fatores cotidianos também podem ser alterados para que o organismo possa lidar de forma a tratar os sintomas e a ocorrência de depressão, como a mudança de uma dieta para hábitos alimentares saudáveis, a prática de exercícios físicos, bem como a realização de atividades de lazer que sejam agradáveis para o portador.

A vida de todas as pessoas é repleta de fatores que podem afetar negativamente o funcionamento do organismo, e estar em contato com a mente, avaliando e tratando estes fatores de forma correta, pode ser crucial para conseguir gerenciar a depressão de forma benéfica.

As atividades físicas são de extrema importância pois estimulam a produção de substâncias e hormônios que influenciam diretamente na sensação de prazer e bem estar, que falta quando a depressão está em ação sobre o corpo.